Novo Tabuleiro para estrear no Diversão Offline 2017

Está chegando o grande dia! Amanhã (19) e Domingo (20) estarei no Diversão Offline 2017, apresentando o novo tabuleiro do Geopolitics Boardgame no stand da Game Maker, empresa especializada em prototipagem de jogos de tabuleiro.

Vejam como ficou!

Agora observem o antes o depois:

Esse trabalho foi concluído graças ao profissionalismo de Douglas Duarte.

Como pode ser verificado, foram abolidos os 2 sideboards que estendiam muito a área de jogo. Agora, a Trilha da Vitória, os Indicadores de Pontos de Penalidade, o Marcador de Relações Internacionais, os Marcadores de Armas Estratégicas, o Controle dos 18 Oleodutos (antes eram apenas 4) foram incorporados no tabuleiro. Antes não havia o Marcador de Segurança Energética e foi também incluído.

A infinidade de territórios navais também foi abolida.  Com isso a movimentação de navios ficou mais dinâmica, afinal a preparação de embarcações e o descolamento pelos mares é muito mais dinâmico.

Trilha da Vitória, Marcadores de Relações Internacionais e Marcador de Segurança Energética.

Essas pecinhas de madeira foram inspiradas na série COIN (Counter Insurgency) da GMT.

Marcador de Penalidades, Marcador de Armas Estratégicas e Controle de Oleodutos.

Vale a pena conferir o detalha do Controle dos Oleodutos.

Controle de Oleodutos

Como já explicado em outro post, o jogador que controlar o oleoduto poderá recolher aqueles barris e alocá-los em seu Marcador de Segurança Energética.

Se o jogador atingir o barril com a estrela amarela, o jogador conseguirá concluir uma das duas condições de vitória. A outra é obter um numero de pontos 1 à 15 (conforme a configuração de jogo Rápido, Normal ou Longo).

Essa mecânica só desenvolvida nessa versão, vai possibilitar simular a agressividade das Superpotências no teatro geopolítico, pois sem o petróleo não há ganhador, não importa o que se faça, simples assim!

De um lado a agressividade e de outro a negociação e diplomacia. Europa precisa de muito petróleo, então ou apoia os EUA em sua cruzada no Oriente Médio ou terá que sentar na mesa de negociações com a Rússia. Todavia, os EUA não querem o seu maior concorrente com essa condição de vitória, portanto terá que capitanear uma “Guerra ao Terror”no Oriente Médio para obter muita quantidade de petróleo, inclusive controlando oleodutos que anulam rotas de influência da Rússia.

Observe que a Rússia não possui o objetivo de Segurança Energética, porém precisa vender toda a sua potencialidade de petróleo (barris brancos) para poder ter a condição de vitória.